Fábrica de Calçados Fábrica de Calçados Fábrica de Calçados Fábrica de Calçados Fábrica de Calçados Fábrica de Calçados Fábrica de Calçados

Assine nossa Newsletter

E-mail
Adicionar Remover
Home Empresa Cadastre-se Informativo Guia de Compras Central de Negócios Fale Conosco
INFORMATIVO

Notícias
Vender somente calçados não é o bastante

Notícias
Sebrae-SP lança cartilha com dicas para aumentar as vendas no Natal

Notícias
Fórum da São Paulo Prêt-à-Porter mostra os rumos do verão 2015/2016

NOTÍCIAS


Itália: maior produtora de calçados da Europa
 
Aumentar fonte Diminuir fonte


Com cerca de 202 milhões de pares produzidos (+1,8% sobre 2012), a Itália em 2013 consolidou o primeiro lugar na produção de calçados da Europa. Em segundo lugar, mas com uma grande diferença, vem a Espanha (92 milhões de pares), seguida de Portugal (75,5 milhões). A quota italiana sobre a produção total em quantidade dos 28 Estados-membros da União Europeia (UE) está em torno de 1/3. A Itália é o único país da UE que está entre os dez maiores produtores mundiais em volume, onde se coloca em décimo lugar. Diante das grandes mudanças ocorridas no cenário internacional nas últimas décadas, o país conseguiu conservar elevados volumes de produção e confirmar-se como líder mundial entre os produtores de calçados de faixa alta e de luxo, com elevado conteúdo moda.

Os principais exportadores mundiais de calçados
Em 2013, a Itália confirmou, na classificação mundial, as posições de vértice ocupadas no ano anterior: segundo lugar na classificação mundial dos países exportadores em termos de valor, atrás apenas da China, e quarto lugar em volume (depois de China, Vietnam e Hong Kong). O preço médio das exportações italianas, constituídas de 60% em quantidade de sapatos com cabedal de couro, é de longe o mais elevado entre os preços dos líderes calçadistas mundiais.
Para onde vão os calçados italianos
Todos os principais países calçadistas da UE sempre tiveram como referência principal o mercado comunitário para onde a Itália envia 7 de cada 10 calçados exportados. Porém, a estagnação do consumo na União Europeia estimulou os fabricantes a conquistarem novas cotas de mercado nos países fora da UE, que representaram nos últimos anos o verdadeiro reboque das vendas, e não somente para a Itália (que registra, no entanto, o incremento absoluto maior em valor entre 2008 e 2013: +986 milhões de euros). O total da exportação italiana (Intra + Extra UE), em 2013, superou 8 bilhões de euros. Bélgica, Alemanha e Holanda precedem Espanha e Portugal nas vendas externas graças à comercialização de produtos anteriormente importados.

Onde a demanda mais cresceu
Suíça, Rússia, Estados Unidos, Hong Kong, China e Turquia são os mercados Extra-UE em que, entre 2008 e 2013, os fabricantes da UE registraram os maiores incrementos em valor, em termos absolutos. Rússia e Turquia são os dois  primeiros em crescimento por volume. Os Estados Unidos apresentam o pior saldo em quantidade (1 milhão de pares a menos no quinquênio). Nos primeiro semestre de 2014, a exportação da UE para os Estados Unidos evidencia uma tendência positiva (na ordem de +12%, tanto em volume como em valor). Crescem também os fluxos para Turquia (+20% em valor), Hong Kong (+14%) e China (+13,3%). A Rússia está mal (-14,2%). A Suíça, embora assinalando +5,7% em valor, continua parada em volume (-0,6%).
Para a Itália, o ano de 2014 abriu em alta, mesmo com a incerteza da crise entre Rússia e Ucrânia, que contribuiu para limitar sensivelmente os pedidos. No primeiro semestre, a exportação teve aumento somente em termos de valor (+4,4%) e ficou estável em quantidade (-0,2%), com evidente desaceleração nos mercados Extra-UE (-2,5% em quantidade), mas com crescimento de 3,1% em valores na comparação com o ano anterior.
Fonte: Couromoda



14/1/2015